TDA/H e Neurofeedback

– Janethe Ramos, Outubro de 2015. O Neurofeedback é uma alternativa não medicamentosa para o tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção com ou sem Hiperatividade (TDA/H). O Neurofeedback é um tipo de Biofeedback, onde a atividade elétrica cerebral é captada através de eletrodos (EEG), decodificada por um programa no computador e, por fim, devolvida em forma de sons e imagens ao cliente. Dessa maneira, a atividade ideal pode ser reforçada e a atividade inadequada pode ser inibida. O cérebro aprende, por condicionamento operante, uma nova maneira de trabalhar, trazendo inúmeros benefícios e bem estar para o usuário. Todo o processo é indolor e não é invasivo. No TDA/H, normalmente, o portador produz mais ondas lentas na parte frontal do cérebro, mas pesquisas científicas identificaram outros tipos de TDA/H e nenhum deles “pode ser diagnosticado a partir da simples observação do comportamento da pessoa, e cada um demandando um protocolo de tratamento diferente”, como nos lembra o Dr. Corydon Hammond, em seu artigo “O QUE É O NEUROFEEDBACK: UMA ATUALIZAÇÃO” (2011). Algumas comorbidades podem estar presentes junto do TDA/H, o que dificulta ainda mais a identificação do problema. Por isso é de real importância uma avaliação adequada antes de se iniciar o tratamento por Neurofeedback, a fim de avaliar as frequências a serem inibidas e/ou reforçadas e suas localizações exatas, quais frequências de EEG estão excessivas ou deficitárias, se há problemas na velocidade de processamento ou na coerência, se há assimetrias, etc. Isso permite que o tratamento seja individualizado e adaptado ao paciente. Em 2012, a American Academy of Pediatrics (Academia Americana de Pediatria) colocou o Neurofeedback no nível 1 – Melhor Suporte- para o tratamento de TDA/H, mesmo nível do Metilfenidato (Ritalina), com a vantagem de não ter os efeitos colaterais desagradáveis que muitos usuários sentem ao ingerir o medicamento, ser natural e ter efeitos duradouros após o término do tratamento, o que não acontece com o uso de medicamentos para esse fim. Caso tenha dúvidas em relação ao diagnóstico de TDA/H, entre em contato com um neurologista, psiquiatra ou psicólogo especializado nessa condição. Amplamente estudado em todo o mundo, o Neurofeedback vem se tornando a cada dia que passa uma excelente opção para ajudar no aumento do foco, no controle da ansiedade, na melhoria da organização, na melhor qualidade do sono e em tantos outros sintomas que acompanham a vida do portador de TDA/H.